quinta-feira, 13 de março de 2014

Como o pai pode ajudar no aprendizado?

Os pais chegam sempre com bastante expectativa nas aula de instrumentos. Muitas vezes, mais ansiosos do que os próprios filhos! Há sempre aquela pergunta: "Quando ele vai tocar a primeira música, professora?!" ou então "e a leitura de partitura, quando ele vai aprender?"
Gostaríamos de lembrar que cada criança tem seu próprio ritmo. Algumas falam logo, outras andam super cedo, e alguns evoluem de maneira mais rápida no instrumento. A cobrança dos pais muitas vezes, ao invés de ajudar, acaba dificultando o aprendizado.
A participação dos pais é de suma importância neste processo. O pai Suzuki não é apenas um espectador, e sim, parte integrante do processo, o chamado triângulo equilátero Suzuki: onde pai, aluno e professor dividem a mesma responsabilidade!
E como ajudar?
Primeiramente, o pai deve ter em mente que o método Suzuki é baseado no aprendizado da língua materna. Isso significa que o áudio não é opcional no aprendizado, e não pode ser escutado apenas quando lembrar. Deve fazer parte da rotina da família. Se não encontram um momento em casa, deve ser escutado no carro! E sim, precisa ser escutado todos os dias!! Como pais, vocês sabem que crianças gostam e precisam da repetição para aprender. Quem enjoa da música são os adultos! Porém ao não colocar o áudio diariamente para seu filho você está dificultando (e muito!) o aprendizado do violino. Afinal, quem poderia aprender a falar russo sem nunca escutar a língua falada?
Também vale lembrar que a primeira palavra é sempre a que demora mais! Foi preciso dizer mamãe ou papai um trilhão de vezes para que o filho dissesse essas palavras tão lindas! Mas logo começa um enxurrada de palavras novas, certo? Com o violino acontece a mesma coisa! O famoso Chocolate quente (e demais variações) é o mais difícil, afinal, é a primeira música! Portanto, paciência! Algumas crianças demoram um pouco mais, mas todas chegam lá.
O chamado pai Suzuki precisa estar presente em todas as aulas. Este pai é o que deve ajudar o filho em casa, afinal, ele é que assiste às aulas. Em casa, o pai deve desligar a TV, telefone, e qualquer outra distração que possa atrapalhar o estudo, e pai e filho devem praticar juntos o instrumento, relembrando o que a professora disse em sala. 
O pai deve sempre encorajar a criança, com palavras de incentivo, nunca criticar
Durante as aulas, o pai nunca deve chamar a atenção da criança. Ao chamar a atenção em sala de aula, tentado ajudar, o pai pode tirar a autoridade da professora, e dificultar ainda mais o aprendizado da criança. As aulas são bastante lúdicas, pois é a maneira como as crianças se comunicam. E o pai deve saber respeitar este momento. Porém o pai deve ficar focado na aula, sem celulares ou computadores, prestando atenção no que é passado para a criança, para depois reproduzir em casa.
Em casa, o violino deve sempre estar à disposição da criança! Deve estar em lugar visível, de preferência fora do estojo, ao alcance da criança. 
As crianças precisam explorar o instrumento como fazem com qualquer outro objeto. Então quando elas tocam em todas as cordas, ou super rápido, ou com o arco virado, tudo isso faz parte do processo de aprendizagem e é extremamente benéfico e incentivado pelo professor! É explorando que a criança conhece melhor o instrumento.
Toda a família deve assistir vídeos (no youtbe mesmo!) de violinistas e orquestras! Pelo menos uma vez por semana, se reunir para ver os grandes concertos ou mesmo as crianças tocando pelo mundo afora. É muito divertido e educativo! E ainda amplia a percepção musical, o repertório, etc.
Por último, vale ressaltar a importância da assiduidade e pontualidade. Ao faltar uma aula, a criança perde a continuidade do processo de aprendizagem, perde a rotina de aulas, e quando retorna na semana seguinte muitas vezes está mais dispersa que o normal, prejudicando o aprendizado. 
É isso!
Bons estudos e muita música à todos!

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Aulas em 2014

Olá!
O ano de 2014 já começou, e com ele as aulas de violino e musicalização!
Vamos fazer música!

Seguem os valores (mensais) das aulas de violino:
Aula individual, 1 hora duração: R$240
Aula individual,  30 min duração (para crianças até 7 anos): R$120
Aula em grupo,  1 hora duração: R$120 por aluno
Aula em grupo, 30 min duração (para crianças até 7 anos): R$60 por aluno.



Além das aulas de violino, também temos aula de musicalização para crianças.
Aula individual,  30 min duração (para crianças até 7 anos): R$120
Aula em grupo, 30 min duração (para crianças até 7 anos): R$60 por aluno.

As aulas são ministradas na Escola de música Katarina Grubisic, no bairro Agronômica, em Florianópolis/SC.
A aula experimental é gratuita!
Os horários são de segunda à sexta, matutino ou vespertino, e sábado pela manhã. 

Maiores informações pelo e-mail jessicams@gmail.com ou kataviola@gmail.com 

Ou pelos telefones:
Jéssica
(48) 9953-5325
(48) 8803-5133

Katarina
(48) 3364-5026
(48) 9961-8584

Um beijo!

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Haydn


Franz Joseph Haydn

Franz Joseph Haydn nasceu em Rohrau, uma pequena cidade perto da fronteira Húngara onde é agora a Áustria. Ele recebeu seu primeiro treinamento musical de um tio com quem foi viver aos 5 anos de idade. Dois anos depois ele se tornou um corista na Catedral St. Stephen em Vienna, onde adquiriu uma grande quantidade de experiência prática mas não recebeu nenhuma instrução sistemática em teoria musical. 

Catedral de St. Stephen

Descartado quando sua voz mudou, o jovem se sustentou precariamente como professor e músico independente. Ele dominou contraponto estudando o Gradus ad Parnassum de Fux. Enquanto isso ele se fez conhecido à pessoas influentes em Vienna e recebeu lições em composição de Nicola Porpora, um famoso compositor italiano e professor de canto, a quem ele serviu de acompanhante e assistente. Em 1758 ou 1759, ele se tornou diretor musical para um Conte Morzin, que viveu em Vienna mas passava seus verões na sua nativa Bohemia. Haydn provavelmente escreveu sua primeira sinfonia para o orquestra do conde. O ano 1761 foi decisivo na vida de Haydn: ele entrou para o serviço do príncipe Paul Anton Esterházy, chefe de uma das mais ricas e prósperas famílias húngaras, um homem devotado à música e um bondoso patrono da arte. 

Príncipe Nicholas

Na corte de Paul Anton e seu irmão Nicholas (o Magnífico), que sucedeu ao título em 1762, Haydn passou quase 30 anos sob circunstâncias ideais para o seu desenvolvimento como um compositor. Começando em 1766, príncipe Nicholas, cuja morada era em Eisenstadt logo ao sul de Vienna, viveu a maior parte do ano em seu remoto estado do interior Eszterháza.

Eszterháza

 O palácio e terras foram planejados para rivalizar o esplendor de Versailles. Tinha 2 teatros, um para ópera e um para peças com marionetes, assim como duas grandes e suntuosas salas de música no próprio palácio. Haydn teve que compor qualquer música que o príncipe demandasse, conduzir performances, treinar e supervisionar todos os músicos e manter os instrumentos na reparados. Ele montou uma orquestra de aproximadamente 25 músicos. Óperas e concertos tornaram-se eventos semanais e óperas especiais e concertos eram feitos para visitantes notáveis. Nas quase diárias sessões de música de câmara nos apartamentos privados do príncipe, o próprio príncipe usualmente tocava o baryton, um instrumento semelhante a uma grande viola da gamba com um conjunto extra de ressonantes cordas de metal que podiam ser dedilhadas como uma harpa. Haydn escreveu algo em torno de 165 peças para o baryton, a maioria trios com viola e cello.

Baryton

(continua...)

Fonte: Grout, D. J. A history of western music. 5th ed. Norton & Company, Inc. 1996.

Essa é uma tradução livre feita por mim, o texto foi retirado integralmente do livro.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Boas festas!!

Gostaríamos de desejar à todos boas festas!! Um feliz natal e próspero ano novo!
Que 2013 venha repleto de realizações e, claro, muita música!!!

As aulas em 2013 terão início no dia 01 de fevereiro. Até lá!
Em breve maiores detalhes aqui no blog.



quinta-feira, 31 de maio de 2012

Aulas em grupo

Olá,
No dia 07 de julho estarei dando início às aulas em grupo de violino através do Método Suzuki. As turmas serão divididas pela idades: 2 a 6 anos / 7 a 12 anos, sempre aos sábados de manhã, com mensalidade de R$50,00.
Maiores informações pelo e-mail jessicams@gmail.com
Um beijo!

sábado, 27 de agosto de 2011

Sugestão de leitura sobre Método Suzuki

Lançado em 2011 o livro PEDAGOGIAS EM EDUCAÇÃO MUSICAL - Beatriz Ilari e Teresa Mateiro (organizadoras).
O livro apresenta didaticamente artigos sobre dez métodos de educação musical de importância no mundo e no Brasil. Dentre esses métodos a professora Beatriz Ilari fala sobre o Método Suzuki. Uma importante referência para quem vai trabalhar com esse Método ou gostaria de conhecer seus princípios e sua história (de Shinichi Suzuki).
Em linguagem simples, numa pesquisa minuciosa - o livro também é indicado a professores, pais e alunos que querem saber mais sobre esse método.

BEATRIZ ILARI: "é Ph. D em música (McGill University - Canadá), mestre e especialista em educação musical. Iniciou estudos de violino com Shinobu Saito em Campinas /SP e mais tarde foi professora de violino pelo Método Suzuki. (...) Tornou-se pesquisadora em educação musical mas nunca abandonou as idéias filosóficas como aluna e professora do Método Suzuki. Atualmente é professora da Universidade Federal do Paraná (UFPR)".

A EDUCAÇÃO DO TALENTO - O MÉTODO SUZUKI

Segundo Ilari: " mais do que um simples método instrumental a Educação do talento é uma verdadeira filosofia educacional que propõe uma nova leitura da criança instrumentista, do talento, do papel da socialização na aprendizagem instrumental e do potencial musical na vida humana."
A autora fala da importância da contribuição de Suzuki sobre talento musical: "não é fruto do acaso, e nem é uma forma de herança genética, mas sim consequência do estudo sistemático" Ilari (2011).
Suzuki fala que "todas as crianças tem potencial para aprender e tal potencial pode ser desenvolvido desde que o ambiente ao redor da criança seja estimulante e a instrução apropriada" (SUZUKI apud. ILARI, 2011, P. 188) . No Método Suzuki é reforçada a ideia de que "a aprendizagem instrumental não é privilégio de indivíduos especiais, mas pode ser para todas as crianças" Ilari (2011).

Ao longo do texto Ilari apresenta os princípios do método, a história de Suzuki, a vinda do método para o Brasil (através de Irmã Wilfred) e os primeiros professores que começaram no Brasil.

Também a autora demonstra como o desenvolvimento musical ocorre no Método Suzuki, sua proposta pedagógica, origens culturais e filosóficas, a relação triádica - aluno - pais - professor.

Interessante também o estudo sobre a importância da memória, as repetições e influências do zem-budismo dentro do Método Suzuki na prática musical e desenvolvimento do aluno como pessoa.
A autora também fala do material didático - os métodos organizados pedagogicamente e as principais críticas que o método tem. Essas críticas são relacionadas a maneiras diferentes de se aplicar o Método, as vezes sem o conhecimento dos princípios filosóficos e falta de preparo de alguns professores que tentam utilizar o Método.
Outro aspecto enfatizado por Ilari é a importância que o Método Suzuki dá à motivação, prática em grupo e socialização dentro do desenvolvimento musical do aluno. "Além de prazerosas, as aulas e apresentações dão oportunidades para que as crianças troquem idéias e aprendam umas com as outras, por meio da observação, audição e, é claro, imitação, porém de forma não competitiva" (ILARI, 2011, P. 202).
Vale a pena a leitura desse capítulo, assim como de todo o livro que fala de dez métodos diferentes de educação musical.

referência:
ILARI, Beatriz, Shinichi Suzuki - a educação do talento in Pedagogias em Educação Musical, Curitiba, Ed. IBPEX, 2011.

abraço
Katarina
kataviola@hotmail.com





terça-feira, 30 de março de 2010

“EDUCAÇÃO É AMOR”

(Dr. Shinichi Suzuki)

MÉTODO SUZUKI

texto do maestro Carlos Alberto Angioletti Vieira

Também conhecido como o método da educação do talento, o Método Suzuki é fundamentado no sistema de aprendizagem da fala, e desenvolvido pelo pedagogo japonês Dr. Shinichi Suzuki (1898/1998) para o ensino musical especialmente programado para crianças a partir da mais tenra idade, cuja eficácia tem sido comprovada em todo o mundo. o método visa principalmente colaborar para o crescimento das crianças e jovens através da prática musical num ambiente positivo e estimulante. todo esse processo didático-pedagógico pela música leva ao caminho da formação da cidadania dos jovens participantes, uma vez que educa, desenvolve habilidades especiais e talento, além de colaborar para a profissionalização.

Shinichi Suzuki nasceu na cidade de Nagoya em 17 de Outubro de 1898 e faleceu em Matsumoto em 26 de Janeiro de 1998. Suzuki tinha dezoito anos quando foi estudar violino com o famoso Professor Karl Klingler na Alemanha.Suzuki enfrentava uma grande dificuldade em falar a língua alemã. Ele ficou fascinado ao observar a facilidade com que as crianças alemãs de dois e três anos falavam aquela língua que para ele parecia impossível aprender. Foi então que baseado nessas observações de que qualquer criança, em qualquer lugar do mundo aprende a falar sua língua materna, por mais complexa que essa possa parecer, que ele se perguntou: “Se todas as crianças podem entender e falar a língua materna, porque não podem elas desenvolver outras habilidades para artes mais elevadas como a Música, por exemplo? O que significava aquela fluência de linguagem ou seja, aquela habilidade de falar, emitir os sons necessários nos contextos certos, sem conhecer o emprego de tão complicada gramática? Qual seria essa habilidade? Poderia ela ser adquirida ou era inata?

Seria realmente verdade que talento para coisas como Música, Literatura, Esporte, ou qualquer das outras Artes fosse inata? Até aquela época ele acreditava como qualquer pessoa, que talento era algo mais, com o qual algumas pessoas privilegiadas era presenteadas ao nascer. Desde aqueles dias começou a estudar este problema e a verificar praticamente o processo de transmissão da língua materna, observando o seguinte:

1. As condições do meio ambiente e suas influências sobre um recém-nascido e como ele se acostuma aos sons da língua falada pela mãe;

2. Como uma criança aprende a emitir seu primeiro som através de pacientes repetições;

3. O progresso natural desenvolvido simplesmente pela prática diária, paciente, sem precipitação e principalmente envolta de muito amor e carinho;

4. A atitude diária dos pais até que o bebê começa realmente a falar;

5. A super naturalidade com que os pais despertam o entusiasmo na criança e a felicidade demonstrada por ela ao descobrir sua nova habilidade.

Concluindo finalmente, o método natural de ensinar uma criança a linguagem materna é indiscutivelmente um maravilhoso processo educacional, impulsionado pelo entusiasmo de uma prática, embora repetitiva, que se prolonga da manhã até a noite, e através do qual muitas outras habilidades são também desenvolvidas.

Se todo ser humano nasce com grandes potencialidades e cada indivíduo traz consigo a capacidade de se desenvolver até um nível bastante elevado, e nós reconhecemos o extraordinário pode de uma criança em absorver tudo à sua volta e somar ao seu próprio conhecimento, por conseguinte manifestando o poder original da mente humana, não seria provável que este método de transmissão da língua materna guardasse a verdadeira “chave” do desenvolvimento humano?

“Uma semente precisa de tempo e estímulo para germinar”

O MÉTODO SUZUKI NO BRASIL – de 1973 a 1989, os primeiros dezoito anos

Em 1973 o Método Suzuki foi iniciado no Brasil, na cidade de Santa Maria/RS, pela Irmã Maria Wilfried. Religiosa e também professora de violino, nascida na Áustria, veio fixar residência no Brasil em função do seu apostolado.Seu trabalho no Jardim de Infância Girassol foi a primeira semente do Método Suzuki no Brasil. Além de sua dedicação ao ensino das crianças ela estimulou muitos professores com sua perseverança, idealismo e amor.

A Professora Hildegard Soboll Martins, após ter participado de um treinamento nos EUA com o ilustre Professor John Kendal, iniciou o curso do Método Suzuki em Curitiba.

Em 1980 o Professor John Kendal esteve no Brasil pela primeira vez, dando um curso na cidade de Santa Maria. A partir desse ano ocorreu o inicio de cursos Suzuki nas cidades de:

Florianópolis, com o Professor Carlos Alberto Angioletti Vieira.

Porto Alegre, com os Professores José Carlos Lima e Carlos Alberto Souza.

Londrina, com a Professora Regina Grossi Campos.

Campinas, com a Professora Shinobu Saito.

São Bento do Sul, com as Professoras e irmãs Ligia e Consuelo Froehner.

Santa Maria, com o Professor Marco Antonio Penna.

Outros importantes eventos ocorridos no Brasil foram:

1982 – Curso com o Professor Takeshi Kobayashi durante o II Encontro Brasileiro do Método Suzuki em Curitiba.

1983 – O Professor Efrain Flores Jr. Esteve residindo em Santa Maria onde ministrou cursos durante dois anos.

1983 – Professor Efrain Flores ministrou curso em Florianópolis.

1983 – Regina Grossi Campos(de Londrina) e Carlos Alberto Angioletti Vieira (de Florianópolis) são os primeiros professores sul-americanos que foram a Matsumoto, no Japão, para fazer curso com o Dr. Shinichi Suzuki durante o Summer School e Festival Internacional Suzuki.

1984 – Professor Efrain Flores voltou a Florianópolis para dar outro Curso.

1984 – É realizado o III Encontro Brasileiro Suzuki em Santa Maria.

1984 – Acontece o I Encontro Suzuki de Santa Catarina, em S.Bento do Sul.

1985 – É realizado 0 IV Encontro Brasileiro Suzuki em Florianópolis.

1985 – II Encontro Suzuki de Santa Catarina, em São Bento do Sul.

1986 – Realização do V Encontro Brasileiro Suzuki em Porto Alegre, com a presença do Prof. Alfred Garson dos EUA.

1986 – Encontro Internacional em Curitiba, com o Prof.John Kendal.

1986 – III Encontro Suzuki de Santa Catarina, em São Bento do Sul.

1987 – I Encontro de Professores Suzuki, em São Bento do Sul.

1987 – IV Encontro Suzuki de Santa Catarina, em São Bento do Sul.

1987 – II Encontro de Professores Suzuki, em Jaraguá do Sul.

1988 – I Conferência Brasileira de Professores Suzuki, Londrina, quando foi fundada a Associação Brasileira de Professores Suzuki- ABRAPS.

1989 – II Encontro Nacional de Professores Suzuki, em Curitiba.

1989 – Segundo grupo de professores brasileiros que foram a Matsumoto participar do Summer School e Encontro Internacional Suzuki, estando presentes dentre outros os professores: José Carlos Lima, Carlos Alberto Angioletti Vieira, Katarina Grubisic,Carlos Alberto Souza, Alberto Feuerharmel, Ligia Froehner, Mauro Buss, Simone dos Santos, Cilene Sluminsky, Marcezi Ziebarth, Jéferson dela Roca, José Ademar Rocha e Maria Ignes M.Teixeira.

“O homem é filho do seu meio”

A METODOLOGIA SUZUKI

A participação dos pais é imprescindível para a aprendizagem e formação de uma base para o desempenho futuro de uma criança, o que justifica a necessidade de uma relação dos pais e o professor apoiando a criança no seu aprendizado musical: é o famoso TRIÂNGULO SUZUKI





Os pais, após o devido preparo, trabalham com seu filho em casa, repetindo o procedimento ocorrido durante as aulas, conforme orientação do professor. Dessa forma será desenvolvida uma disciplina de continuidade e aperfeiçoamento, cujos resultados se farão sentir em pouco tempo de prática

Os pais tem sido considerados, através dos tempos, como os primeiros professores de uma criança. Antes mesmo de entrar para a escola ela aprendeu a falar, andar, ler, escrever algumas palavras e até mesmo a contar, devido ao seu amor e esforço persistente. Por conseguinte, Suzuki realça a importância dos pais no bom ou mau desempenho apresentado pela criança:

1. Amor Profundo – O princípio fundamental, no qual, conjuga a frase mencionada por Suzuki “Se o amor é profundo, muito se pode realizar” e que serve de alicerce para os demais.

2. Tranqüilidade Interior – Sem ter tranqüilidade interior, a aprendizagem é impossível. A respiração controlada é essencial à tranqüilidade interior. Ela desocupa a mente e relaxa o corpo, permitindo que se aprenda.

3. Perseverança – Quando se tem uma meta e se possui bastante domínio de si mesmo para perseverar, tudo é possível. Aprender um passo de cada vez.

4. Repetição – Sem a repetição não há aprendizagem. Esta é a chave para a retenção mental e física. Isto significa repetir até que algo seja parte de nós mesmos.

5. Individualidade – As crianças têm várias características em comum, mas, cada uma é bastante singular e deve ser tratada com o devido respeito e consideração.

6. Consistência – Importante para todo o progresso do aprendizado é manter um passo consistente e nunca desistir até que se obtenha o resultado desejado.

7. Saúde – A saúde mental e física são de grande importância. O preparo do corpo e da mente são essenciais à aprendizagem.

8. Meio Ambiente – É preciso criar o espaço adequado, preparado com carinho, onde a criança tenha alegria, liberdade e bem-estar.

9. Interesse – Sem interesse a criança não começa a aprender. Estímulos, brincadeiras e jogos, tem ilimitado poder de fazer crescer o interesse e atenção.

10. Pensar Positivo – Nenhuma crítica ou comentário negativo deve ser feito na presença da criança. O negativismo logo destrói todo o desejo de aprender.

11. Segurança – Uma criança não deve se sentir pressionada a aprender. É importante manter uma relação de amizade e confiança entre os pais, a criança e o professor.

12. Entusiasmo – Não ensinar desanimado. Através de um processo natural, demonstrar à criança que estudar pode até ser muito divertido, quando entra em ação toda a criatividade das três partes – professor – criança – pais.

“Se treinarmos a cada dia, para fazer algo específico, desenvolveremos as nossas habilidades. A prática faz o mestre, diz o ditado. Nós temos de praticar e educar nossos talentos, isto é, repetir as atividades até que elas aconteçam naturalmente, fácil e simplesmente. Esse é todo o segredo”. (Shinichi Suzuki).